Conseqüência

fevereiro 28, 2009

Hoje sou pedaços, só pedaços,
De tudo aquilo que você encontrou.
Sou as ruínas do monumento
No qual você adentrou,
Agora destruído pelo incêndio
Que você desencadeou.

Um pequeno poema que eu escrevi…

Anúncios

Menina Lua

janeiro 12, 2009

Escrito por Bernardo Morais

Lua, lua minha
Distante é longe
Como tu és impossível
Missão suicida minha

Água salgada
Lua minha não derrama
Brilha lua, luz refletida
Daqueles que Lua ama

Labirinto inconquistável, lua inabitável
Distante é longe
Como tu és impossível
Enigma indecifrável

Mas como uma flor que se abre
Jogas teus perfumes doces,
E doce veneno arde
Pulsas por minhas veias
Me matando de amores
Queimando, pulsando,
Ardendo, matando,
Te amando.

Missão suicida minha.

Um poema que eu escrevi… A propósito, Bernardo Morais é meu nome, não sei se algum dia eu informei isso aqui… Bem, agora está informado, certo? 😀

O poema fala sobre uma garota impossível, como a Lua! Tirem as interpretações que quiserem, eu já tenho as minhas e pra mim são suficientes.